08_terrybennettUm dos maiores desafios enfrentados pela civilização moderna é a acelerada urbanização em todas regiões do planeta. Dentro de 35 anos, a população mundial deve passar dos nove bilhões de pessoas. A infraestrutura existente não é capaz de lidar com o rápido crescimento das cidades, nem mesmo atender às necessidades de forma sustentável e resiliente.

Para responder a este desafio, a criação de uma nova infraestrutura deve ser definida, levando-se em conta um ciclo de vida de longo prazo e a sinergia com a urbanização já existente. Esta sincronia vai nos ajudar a criar cidades sustentáveis nos próximos anos​. Mas quem vai fazer isso e como?

A resposta está na geração Y, ou seja, jovens nascidos entre o final da década de 1980 e meados dos anos 90. São pessoas que cresceram acostumadas com uma realidade virtual e com ambientes em 3D. Esta geração, imersa em aplicativos móveis e cloud computing é sem dúvida a mais conectada que já vimos, ávida por respostas instantâneas.

Para entender como esta nova geração vai mudar a forma de projetar, tendo em mente um mundo com nove bilhões de pessoas, precisamos pensar primeiro sobre como eles irão usar sua influência social e abordagem baseada em nuvem para projetos e engenharia.

Os membros dessa geração são diferentes; eles assimilam tudo e simultaneamente organizam a vida de forma diferente, olhando para uma perspectiva de grupo. Sendo a primeira verdadeira geração conectada globalmente, eles têm amigos e colegas em todo o mundo e podem discutir e colaborar em tempo real sobre problemas comuns em suas cidades.

Esta colaboração requer as seguintes características: desenvoltura em mídias sociais, confiança e respeito mútuos, indefinição de papéis entre as funções de planejamento, projeto e construção – todos trabalham juntos -, compartilhamento de riscos e recompensas – e sobretudo de informações -, capacidade para executar várias tarefas ao mesmo tempo.

É fácil notar a diferença entre este novo modelo e a engenharia tradicional, com seus fluxos de trabalho segmentados e responsabilidades definidas.

O principal desafio  seria evitar que esta nova geração trabalhe em engenharia forçada a usar velhos processos, ferramentas e abordagens, ou que busque outras profissões para estender a sua criatividade, o que seria uma perda para o futuro da engenharia e construção.

Os projetos de infraestrutura do futuro são desafiadores e complexos e ultrapassarão os limites do design e da construção. Esta nova geração acredita que o design não-linear é normal e sua complexidade é esperada, uma vez que adoram desafios. Estes jovens acreditam que tudo deve ser modelado em 3D inteligente que lhes permite ser analisar tempo e custo em 4D e 5D e, finalmente, validar o projeto em 6D no que se refere ao impacto na sustentabilidade, já que são uma geração que se autodescreve como verde.

Para esta nova geração, design e construção devem ser nada menos que um esporte de equipe, baseado em nuvem com capacidade móvel e social para interagir, se necessário, com quem, onde e quando for necessário. Para eles Building Information Modeling (BIM) é a única maneira de projetar o nosso futuro, resultando em melhores decisões e em melhores resultados de esforço colaborativo.

Durante suas vidas eles irão projetar e viver em uma cidade neutra de carbono, substituir seus carros por elétricos ou híbridos, ou simplesmente optar por não utilizar carros, ter um número único para comunicação, viver onde quiserem e trabalhar em outra localidade se desejarem, o que pode ser feito virtualmente.

Esta próxima geração de designers irá adotar essas novas atitudes, perspectivas e ferramentas para transformar os processos de Infraestrutura, planejamento, projeto e construção, e estabelecer as bases para a mudança que os capacite a enfrentar os desafios da urbanização desenfreada. Sua visão para o futuro é que infraestrutura sustentável e cidades inteligentes são a mesma coisa.

Terry D. Bennett, LS LPF MRICS LEEDAP,  é gerente sênior de indústria, engenharia civil e construção da Autodesk. Ele tem feito parcerias com empresas e cidades para resolver desafios urbanos durante os últimos 30 anos.| Autodesk