A Santil destaca os cuidados contra raios, que podem ser fatais. Cuidados simples e equipamentos de proteção podem evitar danos causados pelos raios às pessoas, a eletroeletrônicos e a edificações

Raios / PixabayO Brasil é um dos países com maior incidência de raios no mundo, o que é um perigo para pessoas, edificações e aparelhos eletroeletrônicos. As descargas elétricas não podem ser evitadas, mas cuidados podem ser tomados. A Santil, uma das principais distribuidoras de material elétrico do País, indica algumas medidas que podem tornar os dias de temporais mais seguros.

Os raios são um perigo real. Somente em 2014, 98 pessoas morreram atingidas por descargas elétricas, de acordo com levantamento do Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Deste total, 27% das vítimas faziam atividades agropecuárias quando foram atingidas pelo raio e 20% estavam dentro de casa.

“Sabemos que este é um assunto sério e a temporada de chuvas e raios no Brasil vai de outubro a março. Por isso é importante alertar sobre os riscos e, com isso, diminuir o número de vítimas do fenômeno”, destaca Osmar Tortora, gerente comercial da Santil.

Algumas recomendações simples que podem evitar acidentes: não ficar sob árvores ou em áreas muito descampadas durante tempestades;não permanecer em praias, piscinas e campos de futebol; tirar aparelhos elétricos da tomada; manter-se dentro de veículos com vidros fechados e abrigar-se em lugar coberto e seguro, pois os raios podem danificar a rede elétrica, rompendo fios e cabos energizados nas ruas, um risco a mais para os pedestres.

Nas edificações – Para a proteção das edificações, a instalação de para-raios é fundamental e obrigatória para imóveis com mais de oito metros de atura. Instalado no ponto mais alto do edifício, o sistema deve ter manutenção regular, observando o aterramento, as conexões e suportes. Vale lembrar que para-raios não “atraem” raios, somente leva a energia para o solo, evitando acidentes e protegendo vidas.

Um dos riscos durante tempestades é que uma elevada carga elétrica percorra a rede e chegue às tomadas, queimando aparelhos diversos, mesmo desligados. Não é incomum, pessoas tomarem choques ao usar aparelhos ligados à rede durante tempestades. Por isso, é indicado evitar o uso de telefones, TV a cabo ou eletroeletrônicos durante as fortes chuvas. O mesmo é recomendado no caso do chuveiro, com o agravante de que a água é um meio condutor de eletricidade, aumentando o poder de difusão da energia e, consequentemente, de choques.

Aparelhos – Uma das formas mais simples, eficiente e baratas de proteger aparelhos eletroeletrônicos dos danos causados por descargas elétricas é mantê-los desligados ao primeiro sinal de tempestade ou quando não estiverem sendo utilizados, mesmo se o consumidor estiver fora de casa.O mesmo vale quando falta energia em casa. Os equipamentos devem ser desligados da tomada, pois quando a energia retorna também há risco de sobrecargas que danificam os mesmos.

Alguns equipamentos, porém, são indicados para a proteção de eletroeletrônicos, como aterramento elétrico e supressores de surto. O aterramento é uma ligação elétrica com a terra por meio do fio terra e hastes metálicas fixadas no solo. O fio terra sozinho não oferece proteção contra surtos de energia. Em muitas residências, o fio neutro é o condutor de segurança e instalado e aterrado junto ao medidor de entrada de energia (o chamado relógio de luz).

Estabilizadores e nobreaks são alguns produtos com a função de proteger equipamentos, como computadores ou outros que precisem de energia estável e sem interrupções. Os estabilizadores visam reduzir as variações lentas e pequenas de tensão na rede elétrica, enquanto os nobreaks devem impedir por determinado período de tempo a interrupção do fornecimento de energia, mesmo que a geração tenha sido suspensa. “Todo cuidado é pouco e esses produtos são bastante eficientes e acessíveis”, destaca o gerente comercial da Santil.

Esses itens, no entanto, oferecem proteção limitada. Para combater os efeitos dos surtos elétricos, pode-se optar pelo Dispositivo Protetor de Surto (DPS), instalado junto ao quadro de distribuição central de rede elétrica. Sua função é absorver descargas atmosféricas diretas ou indiretas que atingem a rede elétrica das residências, impedindo que cheguem aos equipamentos. Assim, é uma espécie de disjuntor que se desliga (desarma) quando é percorrido pela descarga elétrica produzida por um raio.

A instalação do Dispositivo Diferencial Residual, mais conhecido pela sigla DR, no quadro de distribuição de energia é também mais uma precaução e exigida pelas normas técnicas em instalações elétricas de baixa tensão. Parecido com um disjuntor, ele evita choques ao detectar, em um circuito, situações em que há ameaça de acidentes pela rede elétrica.| Santil